Marido, mulher e...um bebê no meio?!

Adorei a matéria e resolvi compartilhar com vcs.
bj,
Alê


Antes da chegada do seu primeiro filho o casamento era, digamos, diferente? Três mães se reuniram para escrever um livro que fale exatamente para vocês. E o plural aqui é literal: Casamento à Prova de Bebês fala diretamente ora com a mulher, ora com o homem sobre como manter a chama acesa e formar uma família bem feliz


Por Cristiane Rogerio I Produção Carol Piza - Revista Crescer


Somos três mulheres loucas por nossos filhos. Também amamos nossos maridos e eles sentem o mesmo por nós. Então, por que passamos a brigar tanto depois que os bebês nasceram? Por que ficamos tão irritadas quando eles não conseguem encontrar as chupetas? Por que eles ficam tão chateados com o fato de nosso entusiasmo por sexo ser igual ao nosso entusiasmo por passar roupa? É com essa mistura de tom que vai do humor à lamentação que as amigas e mães Stacie Cockrell, Cathy O’Neill e Julia Stone resolveram dividir com o mundo suas angústias e soluções que encontraram não só na busca por manter um casamentos feliz depois dos filhos – mas também em conversas com centenas de pessoas (há depoimentos e-lu-ci-da-ti-vos espalhados pelo livro). Em Casamento à Prova de Bebês, que a Editora Sextante acaba de traduzir para o português (R$ 24,90), as escritoras – duas mães em tempo integral e uma que também trabalha fora, com filhos de 1 a 8 anos – abordam um pouco de tudo: as dificuldades dos primeiros dias com o bebê em casa, o drama da divisão de tarefas, as mudanças quando o segundo (terceiro, quarto...) filho chega, a influência da família do casal e, claro, questiona por que a importância dada ao sexo pelo homem e pela mulher parecem mudar completamente. As observações vão cair como luva, apesar de fatalmente você discordar de alguma delas – ou sentir diferenças culturais, uma vez que elas vivem nos Estados Unidos. Mas dá para imaginar as soluções acontecendo por aqui também.


Selecionamos e agrupamos alguns trechos do livro com as observações e ideias sugeridas e, no nosso site (www.crescer.com.br), você poderá enviar perguntas às autoras até o final de setembro. Boa leitura para quem está passando por isso, para os grávidos, para quem planeja ter filhos e, sim, para quem passou dessa fase e acredita que ainda há muito o que conversar.
Ei, vocês ainda estão casados!

Cultivar a relação
Todos queremos o melhor para nossos filhos. Sempre vamos fazer tudo para que eles sejam felizes. Porém, muitas pessoas não percebem que o relacionamento entre marido e mulher é a base da família. Quando essa base não está firme, o mundo da criança se desestabiliza. Sabemos que pode parecer absurdo pensar em sair para namorar quando há uma criança agarrada à nossa perna e outra implorando por uma historinha antes de dormir. Mas cultivar a relação conjugal é de extrema importância para que nossos filhos se sintam seguros e felizes. Você não precisa escolher entre ser um bom marido/mulher e ser um bom pai/mãe.


Como as mulheres se sentem
Tudo o que queremos é um pouco mais de ajuda e compreensão. É difícil ser uma máquina de leite. É difícil imaginar voltar ao trabalho quando mal conseguimos organizar nossos pensamentos. É difícil imaginar fazer sexo de novo quando estamos maiores e mais flácidas. E aí ficamos pensando: como eles não entendem isso? Queremos um parceiro e não apenas um ajudante para as tarefas domésticas. E, sem querer ser muito exigentes, um pouco mais de reconhecimento por parte de nossos maridos também seria bom.


Como os homens se sentem
Eles também experimentam um grande amor e um medo terrível. Também se sentem pressionados e exaustos, mas reagem de outra maneira. A paternidade dá origem a uma espécie de “pânico do provedor”. Esse fenômeno faz com que os homens desviem toda sua atenção para o trabalho. A carreira e o sucesso financeiro tornam-se mais importantes que nunca. As mães se preocupam com a alimentação do bebê e os pais em colocar comida na mesa. Uma das consequências do pânico para muitos homens é o “e se acontecer alguma coisa comigo?”


>> Coisa de mãe, coisa de pai

O incessante diálogo interno
Gostemos ou não (e, acreditem, muitas vezes não gostamos), quando temos um bebê, nosso gene protetor é acionado. É como se um “chip materno” estivesse implantado em nosso cérebro. E não é possível desativá-lo. Esse microchip nos dá audição supersônica (foi o bebê que fez esse barulho?), visão de raio X (essa fralda está suja), reflexos rápidos como a luz e um diálogo interno incessante (será que preciso comprar mais leite? Quando é a próxima consulta com o pediatra? Será que visitei creches suficientes?). Ele também vem com o programa “sempre pensar no pior” instalado, que atualiza automaticamente nossos temores maternos. Como se isso não bastasse, o chip ainda está conectado a um “circuito de culpa” que nos leva a pensar que jamais conseguiremos fazer tudo o que é preciso por nossos filhos, nossos maridos e nós mesmas.


Os homens geralmente usam atalhos
As crianças não tomam banho. Ninguém come legumes. As roupas estão sujas. Ninguém escova os dentes. Esses atalhos nos deixam loucas porque precisamos consertar as coisas que vocês deixaram para trás, o que significa mais trabalho para nós, e sempre temos que estar “no comando”, porque vocês não assumem a total responsabilidade.


A resposta dos homens é sempre a mesma: “relaxe”
Mandar uma mãe relaxar é como dizer a um engenheiro nuclear para não se preocupar com o vazamento no reator que ele precisa consertar.

>> O papo é sexo

O que significa para o homem
Os homens nos disseram que, assim como as mulheres, também precisam se conectar emocionalmente, só que fazem isso de um jeito diferente, por meio do sexo. Quando eles dizem que “precisam de sexo”, estão dizendo que precisam ser tranquilizados, reconhecidos e ter contato emocional.


O quanto é difícil para a mulher
Não se pode passar do “modo mamãe” para o “modo amante” apenas apertando um botão. Queremos ser cortejadas. Queremos que vocês nos conquistem. Aquele desejo de se sentir atraente não vai embora só porque finalmente conseguimos fisgar um marido.


Quando (não) falar
Quando e como fazer isso é tão importante quanto o assunto a ser discutido. Será que existe um momento apropriado para um marido dizer à sua esposa que ele não está satisfeito com a vida sexual dos dois, ou para a esposa dizer ao marido que ele não está ajudando o suficiente? Sem dúvida existe o momento errado: às 23 horas da terça-feira, quando vocês acabaram de discutir sobre quem deve levar o lixo para fora. Uma conversa dessas deve começar num programa a dois, quando vocês estão carinhosos um com o outro e não se sentem pressionados pelas coisas do dia a dia.


>> Mãos à obra, vocês podem!
Aqui alguns dos segredos das autoras para melhorar a vida a três (quatro, cinco...)

Conversem
Perguntem “como você está, meu amor?” ou tentem quebrar o silêncio de alguma forma.


Ouçam
Desliguem todos os aparelhos eletrônicos (isso inclui televisão, iPod, computador, Blackberry e celular) durante uma noite inteira.


Mudem de ambiente
Saiam de casa se ela já se tornou um campo de batalha. Marquem um encontro depois do trabalho. Experimentem jantar num restaurante diferente ou dar uma caminhada na praia.


Troquem de papéis
Se vocês sempre fazem as mesmas tarefas e estão cansados delas, troquem de lugar durante uma semana. Ele faz o jantar e ela corta a grama, ou vice-versa.


O que posso fazer por você?
Uma atitude proativa deste tipo é uma das melhores coisas que podemos fazer pelo nosso casamento.


Não é hora de discutir a relação
Temos uma amiga que, quando seu primeiro filho tinha cinco semanas, disse ao marido que eles precisavam fazer terapia de casal. Eles precisavam mesmo era de uma boa noite de sono.


Bom humor é a primeira coisa que perdemos quando chegamos ao limite.
Temos duas opções quando o bebê vomita na nossa camiseta limpa: rir ou chorar. Como já estamos fartos de tanto choro, por que não tenta rir?


Peça ajuda
É fundamental ter ajuda nessa fase, seja ela remunerada ou não. Sem dúvida, vocês conseguem dar conta de tudo sozinhos, mas por que arriscar ficarem loucos ou se divorciarem se há outras opções?


Resista
Precisamos lutar contra a vontade de fazer tudo sozinhas.


Ajudem-se
Acordar diversas vezes durante a noite para amamentar é enlouquecedor. Levar o bebê até a mãe, colocá-lo para arrotar e depois levá-lo de volta ao berço são tarefas simples que o pai pode fazer, e é um grande alívio às suas esposas.


Fim de semana de treinamento
O que deve fazer uma mulher que está no limite? Simplesmente dê o fora! Viaje e deixe seu marido sozinho com o bebê durante 48 horas. Nada de babá. Nada de avós. A ideia é deixar que ele descubra sozinho como as coisas funcionam. Ele “não entende” porque nunca fez! O homem entenderá melhor as frustrações e os desafios que sua mulher enfrenta. A maioria de nós aprende a ser mãe por tentativa e erro. Aprendemos fazendo.


Os dois devem descansar
Muitas pessoas com quem conversamos disseram que, de vez em quando, gostariam de ter um tempo para simplesmente ficar em casa, sem fazer nada. Parece que se você está lá, tem que estar trabalhando. Está errado! Todos merecem um tempinho livre dentro de casa, uma folga. Durante esse tempo, um não pode dizer ao outro o que fazer. Ela quer ler uma revista. Ele, ler o jornal ou assistir à TV. Os dois podem tirar um cochilo.


Sejam carinhosos
Tanto homens quanto mulheres nos disseram que sentem falta dos pequenos gestos de intimidade, como abraços e beijos, que desapareceram junto com o sexo.


Uma noite só para vocês
Quantas vezes já ouviram esse conselho? E quantas vezes o seguiram? Se não der para arcar com uma babá, combine com um casal de amigos para que, de vez em quando, uns cuidem dos filhos dos outros. Os “encontros” podem até acontecer na sua própria casa. Duas velas, uma toalha de mesa, uma garrafa de vinho, todos os aparelhos eletrônicos desligados e nenhuma criança acordada: isso já é um encontro romântico (a comida pode ser encomendada).


Uma escapada, sempre que possível
Quanto maior a distância (física e mental) entre vocês e seus filhos, melhor é o sexo. Viajar nem sempre é fácil, mas vale a pena. Viajem juntos no fim de semana, só vocês dois, umas duas vezes por ano.


Marquem na agenda
É preciso admitir: a época do sexo espontâneo, do tipo “agora mesmo, na mesa da cozinha”, acabou. Se vocês querem uma relação sexual de qualidade é preciso planejar.


Aprenda a deixar coisas de lado
As “mães preguiçosas” fazem mais sexo. Elas têm energia para isso. Quando o assunto é casa, faça o mínimo possível. Você pode ter uma casa apresentável com muito menos esforço. Entre fazer um belo jantar e fazer sexo, talvez possamos optar pelo sexo de vez em quando.

Comentários pelo Facebook
2 Comentários pelo Blogger

2 comentários:

Para enviar sua dúvida, use os comentários pelo Blogger, não pelo Facebook, pois nesse não recebemos aviso e não temos como responder rapidamente.


HomeSobreAnuncieContato



Da Fertilidade à Maternidade - 2015 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger