Tratamentos para Ovários Policísticos

Tratamento do Policístico (SOP): O tratamento da infertilidade da mulher pode ser categorizado em três estágios definidos. Esses tomam a forma de etapas consecutivas. Em muitos casos, a primeira etapa pode ser bem-sucedida, dessa forma não havendo necessidade da segunda e da terceira etapas.


Primeira Etapa Citrato de Clomifeno: Se a investigação indica um problema ovulatório, a terapia hormonal provavelmente será recomendada. Usualmente, o médico começa a indução da ovulação com a medicação chamada citrato de clomifeno. O citrato de clomifeno é prescrito para mulheres com disfunção ovulatória cujos parceiros masculinos são férteis. Em um ciclo normal, o hipotálamo libera um hormônio chamado hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) no início da fase folicular. Se o hormônio é liberado numa quantidade muito pequena ou muito grande, não ocorrerá o desenvolvimento normal do folículo e a ovulação. O citrato de clomifeno estimula a liberação de GnRH, que por sua vez faz com que a glândula pituitária libere mais FSH e LH, estimulando o crescimento folicular nos ovários.Se a terapia com citrato de clomifeno é inefetiva após três ou quatro ciclos, as medicações contendo FSH e LH podem ser prescritas.


Segunda Etapa Tratamento com gonadotrofinas: Se o clomifeno não funcionar, o próximo estágio de tratamento é começar a administração com gonadotrofinas. As gonadotrofinas agem diretamente sobre o ovário, promovendo o desenvolvimento folicular.
Os hormônios gonadotróficos utilizados no tratamento de infertilidade são produzidos de três maneiras:
Urinários : Extração de hormônios (FSH e LH) a partir da urina de mulheres pós-menopausadas.
Recombinantes : Hormônios produzidos em laboratório a partir do DNA humano.

Recombinantes usando a tecnologia de Preenchimento por Massa : Uma técnica mais acurada e precisa, que assegura, através de seu processo (cromatografia líquida de alta pressão e exclusão por tamanho) mais precisão na dose do medicamento.

Veja mais detalhes sobre essas três técnicas:


Gonadotrofinas: As duas principais gonadotrofinas são o hormônio folículo-estimulante (FSH) e o hormônio luteinizante (LH). Esses são considerados como gonadotrofinas, porque exercem seus efeitos primariamente sobre os ovários e testículos (que são conhecidos como gônadas). Os sufixos trofina ou tropina significam ‘promovendo o crescimento’, porque esses hormônios não apenas estimulam a liberação de hormônios gonadais, como também são responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento das gônadas. Na ausência das gonadotrofinas, as gônadas atrofiam e, se elas estão ausentes durante a infância, às gônadas não se desenvolvem apropriadamente.
Em indivíduos do sexo feminino , FSH e LH exercem ações distintas mas complementares sobre o crescimento e desenvolvimento dos folículos ovarianos, e a síntese e secreção dos hormônios ovarianos-chave, tais como estrógenos e progesterona. FSH age para estimular o desenvolvimento folicular, enquanto o LH é o hormônio primário envolvido em produzir e iniciar a fase lútea. Diminuições ou desequilíbrios nos níveis de FSH e LH podem levar a anovulação (ausência de ovulação) e infertilidade. Por outro lado, após a menopausa ou em mulheres incapazes de produzir estrógenos, o FSH pode aumentar até níveis muito altos devido à ausência do feedback negativo do estrógeno para o hipotálamo.

Em indivíduos do sexo masculino, a ação do FSH se faz primariamente sobre a maturação dos túbulos seminíferos nos testículos. As células-alvo do hormônio são as células de Sertoli. Na presença de um nível de andrógeno intratesticular alto (que se eleva em decorrência da ação do LH nos testículos, o que estimula as células de Leydig a se desenvolverem e a secretarem testosterona), o FSH induz a espermatogênese. Em suma, FSH e LH são responsáveis, em associação pela espermatogênese. As funções específicas das gonadotrofinas são sumarizadas na tabela abaixo.




Hormônio:

Função em indivíduos do sexo feminino

Hormônio folículo-estimulante (FSH)
Hormônio-chave envolvido no desenvolvimento e maturação do folículo ovariano até o momento da ovulaçãoEstimula as células foliculares a secretar estrógenos

Hormônio luteinizante(LH)
Essencial para induzir ovulação e formação do corpo lúteo, o qual secreta os hormônios necessários para dar suporte à gravidez inicialOs níveis circulantes parecem desempenhar um papel em conjunção com o FSH no desenvolvimento do folículo

Terceira EtapaTecnologias de Reprodução Assistida (ART): As opções em tratamento de fertilidade podem ser impressionantes. Elas representam tratamentos médicos muito avançados e tomada de decisão profundamente pessoal. Uma categoria de tratamento são as Tecnologias de Reprodução Assistida (Assisted Reproductive Technologies, ART). ART é um termo abrangente para uma variedade de procedimentos médicos usados para reunir ovos e espermatozóides com o objetivo de obter uma gravidez. Talvez o procedimento mais familiar de ART seja a FIV (fertilização in vitro).

O primeiro procedimento bem-sucedido de FIV humana foi realizado em 1978 e, desde então, as taxas de sucesso dos procedimentos de ART têm aumentado de forma constante. Em 2000, a taxa de nascidos vivos para mulheres com menos de 35 anos que se submeteram a ART foi de 33% por ciclo iniciado, um número bastante favorável quando comparado com a chance de 20% que os casais férteis médios têm em um determinado mês qualquer de estabelecer uma gravidez e de levá-la a termo. Embora as taxas de sucesso de ART declinem significativamente nas mulheres mais velhas, as chances para engravidar aumentaram para todos os grupos de idade. Nos EUA , o número de procedimentos de ART realizados também está aumentando, atingindo quase 100.000 em 2000. De 1996 a 2000, os partos de nascidos vivos resultantes de ART aumentaram 73%, indo de 14.573 para 25.228.Embora essa estatística se apresente como uma boa notícia , a experiência de cada casal é diferente. É melhor centrar a atenção em suas próprias metas e condições médicas. Pode ser útil lançar mão de informações apresentadas neste página quando você for discutir o tratamento com o seu médico. Juntos, poderão decidir que procedimento é melhor para você.

Algumas Informações Básicas sobre os Tratamentos: Os hormônios sob controle do hipotálamo, glândula pituitária e ovários regulam o ciclo reprodutivo feminino. Se este sistema básico de controle não funciona corretamente, a ovulação será objeto de distúrbios ou estará ausente. As desordens ovulatórias são caracterizadas por anovulação (ausência completa de ovulação) ou ovulação infreqüente e/ou irregular.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) adotou uma classificação tratamento-orientada de pacientes anovulatórias:

>> Pacientes do grupo I têm insuficiência hipotalâmico-pituitária. Elas são amenorréicas (não menstruam) e não têm hormônio folículo-estimulante (FSH) nem hormônio luteinizante (LH).

>> Pacientes do grupo II têm disfunção hipotalâmico-pituitária e apresentam-se com uma variedade de desordens do ciclo, inclusive amenorréia, oligomenorréia (poucos dias de ciclo) e deficiências da fase lútea. Cerca de 97% das pacientes anovulatórias encontram-se neste grupo, inclusive aquelas com síndrome do ovário policístico (SOP), uma condição comumente caracterizada por hirsutismo (grande quantidade de pêlos), obesidade, anormalidades menstruais, infertilidade e ovários aumentados; acredita-se que isto é reflexo da secreção excessiva de andrógeno de origem ovariana), que por sua vez é considerada a causa mais comum de disfunção ovariana.

A indução da ovulação (IO) tem por objetivo corrigir os desequilíbrios hormonais, possibilitando, quando possível, que ocorra mono ovulação (desenvolvimento de apenas 1 ovo). Mais de 80% das mulheres inférteis sem desordens anatômicas são tratadas com sucesso com medicamentos para fertilidade que promovem o crescimento e o desenvolvimento de folículos ovarianos através da estimulação de FSH e LH. Os agentes mais comumente usados para a indução da ovulação são:
Citrato de clomifeno, que age no hipotálamo para aumentar a liberação de hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), o qual, por sua vez, estimula a glândula pituitária a liberar FSH e LH.

As gonadotrofinas (preparações de FSH e LH que agem diretamente sobre o ovário, promovendo o desenvolvimento folicular).

Nas pacientes do Grupo I da OMS, a terapia com gonadotrofinas, tanto com FSH como com LH, é necessária para o desenvolvimento folicular e ovulação.

As pacientes do Grupo II da OMS podem responder ao citrato de clomifeno. O tratamento com FSH é normalmente reservado para aquelas que não respondem a clomifeno. A IO é usualmente combinada com a relação sexual programada temporalmente ou com inseminação artificial (também chamada de inseminação intra-uterina: IIU) com a finalidade de aumentar a probabilidade de fertilização bem-sucedida.

Se a concepção não acontecer após aproximadamente três a cinco ciclos com citrato de clomifeno e novos três a cinco ciclos com tratamento com gonadotrofina, a paciente pode ser encaminhada para ART.

O número de cursos de tratamento com citrato de clomifeno/gonadotrofina está relacionado ao tipo de infertilidade, ao resultado das investigações e aos esquemas de reembolso praticados em cada país.FSH é efetivo na estimulação ovariana. As injeções de gonadotrofina coriônica humana (hCG) são usadas em conjunção com o FSH para provocar a liberação do ovo (hCG é dado para mimetizar o pico natural de LH). Medicação adjunta adicional para a terapia com FSH são os análogos sintéticos do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH), que agem suprimindo os ovários. No seu estado suprimido, os ovários são mais receptivos à terapia com FSH e ovos de melhor qualidade são conseqüentemente produzidos. Isso é particularmente útil para as mulheres com PCOD (Polycystic Ovary Disease) que não respondem ao FSH isoladamente.Bromocriptina é um agente útil no tratamento de hiperprolactinemia, uma condição em que há excesso do hormônio prolactina no sangue. Essa condição resulta na supressão da liberação do GnRH, contribuindo para a anovulação.

Fonte: http://www.fertilidadeonline.com.br/
Comentários pelo Facebook
1 Comentários pelo Blogger

Um comentário:

  1. oI AMIGA ADOREI O SEU CANTINHO vamos te seguir pois é esse blog é muito importante tem coisas essenciais que temos duvidas no nosso dia a dia e aki tem tdd kkkkkk ameii

    meus parabéns quando puder nos visite tahh

    bjoss

    ResponderExcluir

Para enviar sua dúvida, use os comentários pelo Blogger, não pelo Facebook, pois nesse não recebemos aviso e não temos como responder rapidamente.


HomeSobreAnuncieContato



Da Fertilidade à Maternidade - 2015 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger