Filhos na hora certa

Como saber qual é a melhor época para se ter filhos? Algumas histórias e reflexões podem ajudar a responder a essa pergunta e fazer você repensar sua decisão

Karina Lawrence tem 30 anos, é bióloga e trabalha como pesquisadora no laboratório de Metabolismo da Célula Tumoral da Universidade de São Paulo. Depois de quatro anos de faculdade, fez mestrado por dois anos e está acabando o doutorado, que durou quatro. Podia se dar por satisfeita. Humm,mas quem sabe fazer só mais um pós-doutorado de um ano e meio? É só mais um pouquinho. Aliás, para dizer a verdade, não existe apenas só um pós-doutorado.

São vários, em diversas áreas. Quanto mais, melhor. É justamente aí, durante os pós-doutorados, que acontecem os convites ao exterior, a possibilidade de melhores empregos, bolsas bem remuneradas na área de pesquisa de ponta. Fazendo as contas, pode ser que essa história termine quando Karina tiver 33 anos – ou mais. É quando ela planeja ter um filho. Isto é, pelo menos uns dez anos depois da época biologicamente indicada para a mulher começar a procriar, segundo os médicos especialistas no assunto.

A história de Karina mostra a realidade de muitas outras mulheres que, pelos mais variados motivos, estão postergando o momento de ter filhos. Umas, por razões profissionais. Outras, por questões financeiras – para muitas delas, terminar as prestações do apartamento tornou-se mais urgente que ter crianças correndo pela casa. E uma boa parte, por não ter encontrado uma relação estável ou um companheiro que deseje formar uma família. Sem contar aquelas, ainda não muitas, que pretendem tocar a vida sem provar o gosto da maternidade.

Acompanhando o percurso de suas companheiras ou decidindo-se pela paternidade só na segunda ou terceira união conjugal, muitos homens também tornam-se pais mais tarde. Ou simplesmente decidem que não querem ter filhos. Ser pai ou mãe tornou-se opcional.
Esse fato causou uma mudança profunda na sociedade, tão grande que ainda é difícil mensurar. Qual a diferença entre essa nova mulher, que pode optar entre ser ou não ser mãe ou mesmo planejar a época de ter filhos, e a mulher que se realizava somente por meio da maternidade?

Para o filósofo Renato Janine Ribeiro, pensador particularmente envolvido com a contemporaneidade, até há pouco tempo a vida da mulher brasileira se compunha de estágios sucessivos e, de certa forma, irreversíveis.“ O casamento era indissolúvel e a moça, depois de se expor por certo tempo ao mercado conjugal, era colhida pelas teias sucessivas do casamento, da maternidade e, depois, da condição de avó”, diz. Isto é, se ela entrava na chuva, era para se molhar: não dava para voltar atrás e escolher uma melhor hora para engravidar ou até optar por não ter filhos. Depois de se casar, a maternidade para a mulher era imediata e quase obrigatória. “O mais interessante hoje é o fato de se poder escolher, por exemplo, entre ser mãe aos 18 e profissional aos 28, ou profissional aos 25 e mãe aos 35 – quer dizer, a sucessão de comportamentos sem alternativa e sem volta está acabando”, afirma Renato.

Tudo ao mesmo tempo
O problema é que essa liberdade de escolhas está ligada a algo muito atraente, mas perigoso como dinamite: o sonho (de homens e mulheres) de que se pode ter tudo na vida ao mesmo tempo. “Atualmente a mulher quer ser mãe, profissional de sucesso, boa esposa e ótima amante. O homem quer ser pai e marido presente, profissional empenhado na carreira e ainda ter tempo suficiente para praticar hobbies, viajar e aproveitar a vida. Na prática, isso é difícil. Quase insustentável”, diz o pensador. 
O preço desse sonho inatingível é muita angústia e ansiedade. Se a mulher escolhe a carreira, sabe que tem um reloginho interno biológico que lhe diz que pode estar passando a melhor época para ter filhos sem maiores riscos. Se um homem escolhe ser pai no meio de sua ascensão profissional, terá problemas em conciliar as viagens ou atividades com sua presença em casa, ao lado da mulher e das crianças. Ainda mais hoje em dia, quando o pai tem consciência de que tem de participar mais da criação dos filhos.

A poeta mineira Adélia Prado, ao falar da multiplicidade dos papéis femininos, escreveu um dia que “mulher é desdobrável”. O homem de hoje certamente também é. “Grande parte dos homens já sabe que seu papel não é mais apenas o do provedor externo, e que não pode deixar as tarefas domésticas só com a mulher. Mas isso, se dá mais trabalho, também dá mais orgulho, mais companheirismo.É um grande ganho”, afirma Renato. Sabendo disso, fica ainda mais difícil para ele optar somente pela profissão.

O ideal... o ideal?
Muitos casais de classe média que se preparam para ser pais esperam alcançar uma condição ideal para receber as crianças – que parece nunca chegar. Para boa parte deles, esse cenário perfeito consiste em ter apartamento próprio, dois carros, bons rendimentos, união estável, realização profissional e sensação de já ter aproveitado suficientemente a vida de casal ainda sem filhos. De um lado, isso é bom. “Para ter filhos, é preciso já ter encontrado seu lugar no mundo”, diz Beatriz Vidigal, psicóloga especializada em terapia de casais. Em outras palavras, é saudável, sim, buscar uma base firme antes de ter filhos, embora seja provável que uma boa estrutura só seja alcançada depois dos 30 ou mesmo a caminho dos 40 anos. Mas também é prudente admitir que perfeição não existe e que não é preciso esperar por uma situação superideal para se ter uma criança. 
Além disso, um bebê não deve vir ao mundo só porque esteja faltando o toque final de uma estrutura perfeita, a cereja em cima do sorvete, coroando a relação. “Filho não é para preencher lacuna”, diz Beatriz. Portanto, não é para aliviar o tédio do casal quase perfeito, afastar a solidão de uma mulher sozinha, muito menos para perpetuar uma linhagem familiar. Esses motivos são egocêntricos e pouco indicados quando se pensa em ter uma criança porque, ao contrário, em vez de razões egoístas, ela exigirá muita generosidade e desprendimento de seus genitores.

O filho terá de ser colocado em primeiro lugar em muitas decisões, com sacrifício dos pais, inclusive. “Egoístas não são bons pais, pois não sabem se doar. Para ter filhos, é preciso estar maduro psicologicamente, reconhecer o conceito de alteridade. Isto é, que uma criança tem existência própria, necessidades próprias, e que não é, em absoluto, uma continuação de nós mesmos”, diz a psicanalista.

Depois, a vida tem surpresas. Nada é garantido, muitas vezes é inútil planejar tanto. Antigamente se dizia que cada criança vinha com sua trouxinha, que não é necessário se preocupar tão desesperadamente com a sua sobrevivência. Certo, com os salários de babás de hoje, mensalidades de escolas e cursos paralelos (inglês, judô, ginástica), a trouxinha pode alcançar o tamanho de um contêiner. Mas, se formos muitos frios e racionais com relação ao assunto, perdemos a oportunidade de dar um crédito de confiança à vida.

Medo do inesperado
A verdade é que as pessoas andam muito inseguras. Mas não é preciso exagerar nessa preocupação. No passado, costumava-se esperar que a ajuda sempre chegasse no momento adequado por obra da Divina Providência. Hoje podemos ter certeza de que tudo vai dar certo. É o que pensa, por exemplo, Kátia Hultmann, de 26 anos. Vice-presidente de vendas de uma multinacional sediada em Curitiba (PR), ela ganha bem, viaja muito e ainda quer se divertir um bocado na vida. “A questão do dinheiro não me preocupa. Não confio no sistema financeiro e muito menos na estabilidade. Então, posso estar bem quando tiver meu filho e depois de dois anos estar hipotecando a casa. É necessário confiar, antes de tudo. Um filho deve vir quando os pais se olham e dizem ‘venha!’, e não quando o cofrinho se encheu de moedas”, diz ela. 
Nem sempre o planejamento da gravidez garante uma maternidade tranqüila. Diana Dadoorian, professora de psicologia na UERJ e autora do livro Pronta para Voar, que trata da maternidade na adolescência, sustenta a tese de que, ao contrário do que se pensa, a gravidez de adolescentes é planejada – ou, pelo menos, desejada. A jovem quer ser mãe e faz de tudo para que isso aconteça. Não é a falta de informação sobre métodos anticoncepcionais e sim esse desejo de ser mãe que propicia a gravidez precoce. Só que essa gravidez geralmente é motivada por falta de projeto de vida, carência afetiva, incapacidade de imaginar os cuidados com uma criança. Por outro lado, transpondo o exemplo para o caso do planejamento familiar, é importante refletir sobre os motivos pelos quais se planeja tanto. Quem sabe se não é a incerteza quanto ao futuro da união, o desejo excessivo de controle sobre a vida ou a insegurança pessoal que impedem uma gravidez?

18 meses de gestação
Talvez fosse melhor pensar mais na qualidade do tempo que se vai ter ao lado de uma criança. A terapeuta Miriam Santos Lerner, especialista no trato com gestantes e jovens mães, diz que na visão da medicina chinesa a gestação do ser humano dura 18 meses: nove meses dentro do útero e mais nove fora do útero. Esse olhar provoca uma mudança radical no modo de se ver um bebê. 
Considerar o primeiro ano de vida como uma segunda gestação traz uma importância vital à qualidade da presença dos pais perto da criança. Nesse período, o bebê precisa ser aninhado, embalado, receber carinho e afeto – que será seu principal alimento, ao lado do leite materno. “Por isso ele quer tanto colo. Ele ainda está em formação,precisa do calor e da presença dos pais como precisava do calor e da segurança do útero”, diz ela, que, aliás, é contra deixar o bebê sozinho chorando no berço “para não se acostumar no colo”. “Pode-se chamar a avó ou outra pessoa para ajudar a carregá-lo ou cuidar dele, mas é muito importante que os pais saibam que ele tem necessidade disso”, afirma Miriam. Em outras palavras, se a mãe puder parar de trabalhar durante um ano para cuidar mais diretamente do seu bebê, ele agradecerá muito por isso. 
Outro ponto: muitos homens e mulheres parecem bastante dispostos a ter filhos – mas nem sempre a cuidar deles. “Hoje em dia, a ‘maternagem’ (como vem sendo chamada a criação de um filho) é dividida com os avós, a babá, o berçário ou o pai. Antigamente, com a madrinha, a tia solteira, as avós. É normal, desde que os pais não abdiquem da sua responsabilidade e presença constante”, diz Marta Judith Lauro, psicóloga que atende mulheres com dificuldades de engravidar ou que estejam fazendo tratamento de fertilização. Portanto, é bom saber se haverá gente por perto para ajudar com o bebê quando se planeja um filho – alivia a ansiedade e desfaz a fantasia de que a vida do casal se transformará num inferno de fraldas e choros de criança.

Mas a psicóloga também já atendeu muitas clientes estressadas com o nascimento de gêmeos, trigêmeos ou quadrigêmos resultantes de tratamentos de fertilização usados em mulheres que optaram pela gravidez tardia. Aí o bicho pega. “O impacto é bem maior”, reconhece. Serão necessárias muito mais mãos para ajudar.

Tique-taque biológico
“A idade ideal para a mulher ter um filho, biologicamente falando, está entre os 23 e os 25 anos”, diz o médico Raul Nakano, especialista em reprodução humana. Nesse período, a mulher tem uma alta taxa de fertilidade, menos possibilidade de ter contraído infecções graves (que podem afetar sua capacidade fértil) ou problemas ginecológicos. Isto é, o tempo conta mesmo e pode aumentar as complicações. Por isso, o especialista aconselha que os pais encomendem seu primeiro filho quando a mulher atingir 30 anos. “Aí ela terá mais tempo e calma para solucionar eventuais dificuldades, fazer tratamentos se houver necessidade e ainda ter tempo hábil de planejamento para a segunda gravidez”, diz.
Portanto, qualquer que seja seu sexo ou faixa etária, se pretende ter filhos na hora certa, não perca a oportunidade. Mas não se esqueça do principal em relação ao assunto: racionalizar demais pode tirar o encanto e a graça da vida.
Para saber mais
Livros:
Pronta para Voar, Diana Dadoorian, Rocco
Doida por um Ninho, Laura Zigman, Rocco

Fonte: http://vidasimples.abril.com.br

Comentários pelo Facebook
4 Comentários pelo Blogger

4 comentários:

  1. Não houve planejamento na minha. Estou com quase 30 anos, 29 na verdade, e com 11 semanas de gestação! Mas acredito que Deus sabe muito bem o que faz. Nada acontece por acaso!!!
    adorei seu cantinho.
    Já estou seguindo!!!
    Beijos.
    Beta.

    ResponderExcluir
  2. Planejei, de certa forma sim. Planejei no sentido de que queria estar bem, psicologicamente falando, para ter um filho. Queria muito, e foram 2 anos de tentativa e tratamento para que a Beca chegasse na minha vida. Ser bipolar tornou tudo mais dificil, e fez com que quando ainda estava tudo no plano das ideias eu tivesse que pensar muito sobre o que eu queria, acreditava ser de fato importante, o que eu estava disposta a fazer e a não fazer.
    Não estou trabalhando, nossa situação não é a ideal e estamos morando momentaneamente com meus pais. Mas não existia momento melhor, pois nada é melhor do que te-la comigo e ver que sou mãe.

    ResponderExcluir
  3. Oi meninas, q bom que vc comentaram colocando a experiência de vcs.

    No meu caso, foi muito planejado, mas tive dificuldades e só engravidei 2 anos depois. Mas mesmo com todo esse tempo de preparação, eu acabei tendo depressão pós-parto. Então é muito relativo mesmo, mas é importante que o casal esteja fortalecido e tenha conhecimento das mudanças que vão acontecer.

    bjs,
    Alê

    ResponderExcluir
  4. Olá! achei essa matéria aqui e gostaria de dizer que eu sou a Karina aí descrita..hehehe. Um fato interessante, poucos meses depois de dar esta entrevista eu engravidei, sem querer, e hoje estou com um lindo menino de 3 anos, esperto e saudável! Acredito que o tive na hora certa, pois é preciso pique para correr atrás dos pequenos. É claro que minha vida deu uma guinada, precisei mudar o meu rumo profissional e me reorganizar, mas ser mãe é uma experiência fantástica e todo o dia aprendemos e ensinamos algo novo. Racional e planejada eu sempre fui, mas descobri que o fascínio da vida e ter um pouco de imprevisibilidade no que fazemos!

    ResponderExcluir

Para enviar sua dúvida, use os comentários pelo Blogger, não pelo Facebook, pois nesse não recebemos aviso e não temos como responder rapidamente.


HomeSobreAnuncieContato



Da Fertilidade à Maternidade - 2015 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger